Pequenos produtores organizam o negócio com a filosofia lean

Engana-se quem pensa que a filosofia lean só serve para propriedades com instalações modernas, vários funcionários e centenas de animais. Entre os pequenos também há uma série de produtores-modelo. Um deles é Carlos Kleina, de Imbituva (PR) - à esquerda na foto, junto ao Prof. Paulo Machado. Em 2016, sua propriedade mantinha 22 vacas, que produziam cerca de 22 litros por dia cada. Ele e a esposa, Elisângela, trabalhavam duro, do amanhecer ao pôr do sol, mas a batalha era pesada. As contas nem sempre fechavam, os dois não tinham tempo para mais nada. Ainda assim, abandonar a atividade estava fora de cogitação. “Nunca pensei em sair do leite, por amor à profissão. Eu venho de uma família que só faz isso, a vida toda”, conta Kleina.

O primeiro passo, então, foi admitir que precisava de ajuda. “A nossa propriedade sempre foi pequena e por isso a gente mesmo fazia tudo: tratava as vacas, ordenhava, vendia o leite. Eu precisava de algo que me ajudasse a administrar, tanto na parte financeira quanto no dia a dia”, conta. Quando soube do projeto da Frísia para implantação do Sistema MDA, Kleina não pensou duas vezes. “Entrei com aquela cabeça de que eu era pequeno e continuaria pequeno, mas o curso abriu minha mente. Descobri que sendo pequeno, mas eficiente, eu sou diferente. Sendo diferente, eu posso crescer! E foi isso que aconteceucomigo”, comemora o produtor. Kleina topou o desafio de colocar em prática o conhecimento aprendido em sala de aula, mas não foi fácil. “O começo da Jornada foi um choque, porque fomos criados para seguir outro sistema, do jeito que pensavam e faziam os nossos pais. A gente só tinha continuado, desse mesmo jeito. Mas as primeiras mudanças já foram dando resultado, mostrando que outro caminho era possível e dava certo.”

Para seguir em frente, Kleina percebeu que era importante que a esposa também passasse pela capacitação. “Quando saiu a segunda turma eu quis que ela participasse para entender a fundo os conceitos e a importância das práticas diárias. Até segurei um pouco o que vinha fazendo para que ela acompanhasse e pudéssemos implantar tudo juntos. Ela chegava empolgada do curso e isso fortaleceu essa união para fazer o negócio melhor, passo a passo”, destaca. Com a ajuda de técnicos da Frísia, eles seguiram à risca a Jornada de Implantação. E não deixaram de utilizar as ferramentas propostas, mesmo aquelas que muitos consideravam “coisa para produtor grande”, como o Evento Kaizen, focado na solução definitiva de problemas.

“Nosso primeiro Kaizen foi para resolver um surto de mastite. Investigando as causas, vimos que tudo começou com a substituição do pós-dip que usávamos. Esse entendimento do problema e das causas que a ferramenta traz é empolgante. Pegamos cada vez mais gosto por essa forma de administrar”, afirma. Os resultados revelam o sucesso de todo o empenho do casal. O rebanho passou de 22 para 46 animais e a produção saltou para 30 litros/dia por vaca. As finanças melhoraram e Kleina contratou um funcionário. “É bom ter mais alguém, para que a gente não seja escravo do trabalho”, comenta. Muito além dos números, a alegria do casal retrata a transformação. “Por conseguir tocar bem a propriedade estou feliz, dormindo tranquilo. Isso não tem preço.”

(Publicado originalmente em dezembro de 2017, na revista “Gestão da Fazenda” - publicação produzida em parceria por Clínica do Leite e Frísia).

agro+leanComentário