Preparando o futuro: uma geração de profissionais orientada para o sucesso

Entre os diversos desafios que o agronegócio brasileiro precisa superar para se manter em crescimento, a formação de recursos humanos ocupa lugar especial. Afinal, sem pessoas capacitadas nenhum negócio ou setor consegue sobreviver no longo prazo. Sem dúvidas, nosso país tem oferecido capacitação técnica cada vez mais avançada — temos universidades reconhecidas mundialmente e escolas técnicas de alto padrão em diversas regiões do Brasil.

Porém, ao contrário do que aconteceu na área técnica, o conhecimento em gestão não avançou com tamanha velocidade. Para o bem de todos, isso está mudando: é cada vez maior o número de profissionais que busca conhecer conceitos, práticas e ferramentas gerenciais para aplicar em negócios agropecuários. Na ESALQ/USP, por exemplo, uma disciplina sobre gestão oferecida a alunos de graduação e pós-graduação costuma ter fila de espera a cada semestre. Ao se depararem com a realidade profissional, muitos desses alunos percebem que, sem gestão adequada, o conhecimento técnico tende a ser desperdiçado.

Como professor da área, participar desse movimento me alegra muito. Mais ainda por ver que ele não está restrito às universidades. No caso da pecuária de leite, fazendas e indústrias têm puxado essa busca por formação gerencial para melhorar continuamente os resultados dos negócios. E assim vai se formando uma massa de produtores, consultores e empregados de fazendas, bem como de profissionais da agroindústria, cada vez mais capacitada para conduzir negócios de forma eficaz, alavancando o crescimento do setor.

Integradas a esse movimento, iniciativas como a Academia do Leite, liderada pela Fundação ROGE, fortalecem a esperança de que o futuro está sendo bem preparado. Ao focar na formação de jovens, propondo torná-los especialistas em gestão da pecuária leiteira, com base no desenvolvimento humano, a Academia do Leite coloca o setor no mapa da prosperidade. Dentro de alguns anos, essa nova geração tomará conta do campo, com um enorme potencial transformador.

Ciente do impacto social dessa iniciativa, a Clínica do Leite é parceira da Fundação ROGE na formação desses jovens. Acreditando na capacidade desses gestores do amanhã, transferimos à Academia do Leite os conhecimentos do Sistema MDA, treinamos os professores e licenciamos o material didático a ser utilizado pelos alunos. Estamos certos de que esse e outros esforços, empreendidos por diferentes organizações, nos levarão a um futuro melhor para todos os envolvidos com a pecuária leiteira. Um legado que trará benefícios não apenas ao setor em que atuamos, mas a toda a sociedade.